quarta-feira, 16 de novembro de 2005

Social - Bethy Lagardère, a brasileira adorada na Europa

Merecidamente considerada uma das mulheres mais chiques do mundo pela revista Harper’s Bazaar, a mineira Bethy Lagardère, viúva do empresário Jean-Luc Lagardère, é dos mais fortes reflexos de elegância e feminilidade da Europa para o mundo. Ela foi modelo, continua jovem, bonita, com o mesmo ar de manequim; é visivelmente simpática, cativante, ama o Brasil e é amiga de grandes nomes da alta costura. Até o dia 18 de novembro de 2005 estarão expostos, em São Paulo, no Centro Universitário SENAC – Campus Santo Amaro, algumas das criações de alta costura feitas para Bethy Lagardère por grandes nomes da alta moda como Yves Saint Laurent, Dior, Ungaro, Pierre Cardin, Karl Lagerfeld, Jean Paul Gaultier, Tom Ford. Muitas criações inspiradas na bandeira brasileira, muito verde e amarelo, inclusive em acessórios e sapatos. Uma profusão do amor de Bethy pelo Brasil, pelas cores brasileiras. A exposição é mais uma grande oportunidade para os estudantes de moda, os interessados em moda no geral, lembrando que em 2003, no Rio, a fascinante Carmen Mayrink Veiga, uma das mulheres mais elegantes do mundo, aceitou expor alguns de seus vestidos na Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa, numa produção de muito luxo e beleza. A alta costura é uma obra de arte. Além do glamour, do luxo e da sofisticação nas roupas da elegante Bethy, há também a lição que supera o sentir e o vestir e envolve o interior, como ser uma pessoa glamourosa, luxuosa, sofisticada e elegante com o máximo da naturalidade. Essa é a lição do estilo Bethy Lagardère: doce e imponente ao mesmo tempo. Há notícias informando sobre a produção de um documentário feito por Luís Carlos Barreto em parceria com o Canal 3 da França, sobre a mineira que conquistou Paris na década de 70. Mesmo com toda a sofisticação em sua vida, amiga de grandes nomes da alta costura, artistas e personalidades do grand monde, Bethy nunca mudou seu jeito de ser, seu estilo, sua simpatia - sempre aparece sorridente, atenciosa com todos. "Sou apenas uma brasileira que ama seu país. Uma mulher que adora pão de queijo, doce de leite e guaraná", autodefine-se Bethy Lagardère, a brasileira que é elogiada, admirada e publicada em Paris, no Brasil e no mundo por ser exatamente assim, por ser ela mesma. E isso é bacana.

Um comentário:

sonia martins disse...

É um orgulho ter uma brasileira Internacionalmente completa, simples, porém chic. Parabéns pela matéria...Admiro-a e sou sua fã.
Sonia Martins - Maring´´a-PR