sexta-feira, 16 de março de 2007

Comportamento - La Vie En Rose | Barbara Cartland



Ela nasceu em Edgbaston, Inglaterra, escreveu telenovelas e livros com ar romantico. Muitos exemplares de seus livros ocupam parte de minha estante. Talento, magia criativa, um exemplo de autenticidade, Mary Barbara Hamilton Cartland (1901 - 2000) fez muito sucesso por tudo isso e também pela imagem social. Amava a cor rosa, era chique e admirável. Em seu repertório havia amor pelas pessoas e pelos animais, preocupava-se muito com saúde e questões sociais. Implicante, muitas vezes contradizendo os acontecimentos de sua própria vida, ela criticava divórcios e não poupou a separação da imorredoura Lady Di, o que causou um grande desconforto porque a filha de Dame Barbara Cartland, Raine MacCorquodale, era casada com Lord Edward Spencer - pai da princesa de Gales. A desavença entre as duas, Barbara e Diana, acabou meses antes do acidente fatal em Paris.
Rica, bonita, elegante e muito inteligente, Dame Barbara Cartland não parava. Freqüentava festas, programas de televisão e estampava revistas famosas como 'Vogue' americana e as européias. Circulava entre reis e rainhas, o 'top' do 'top' mundial e foi grande incentivadora da moda de Sir Norman Hartnell, que mais tarde veio a fazer vestidos para a rainha Elizabeth II. Dame Barbara Cartland dominava todos os assuntos, foi entronizada na política e lutou pelo bem da população conseguindo muitos méritos enquanto, simultaneamente, entregava-se à moda, assinando vestidos e chapéus emplumados - tudo na cor rosa. Era o mundo da fantasia de Dame Barbara Cartland, que dobrava tudo ao seu gosto e não apenas agradava, mas incentivava que seus admiradores a seguissem nos detalhes: realidade e sonho. Por seus muitos feitos sociais e literários, a rainha Elizabeth II a condecorou como Dame Commander, com a Ordem do Império Britânico. Com a idade veio o desgaste mental, a memória não era mais a mesma, mesmo assim, aos 90 anos, Dame Barbara Cartland mantinha-se exatamente como sempre foi: aprumada nos seus vestidos em cor-de-rosa e coberta de jóias - colares de milhões de dólares. A beleza mudou, mas continuava sendo percebida, convidada para entrevistas, fotografias publicadas em grandes revistas e jornais, porque apesar da idade e da abalada saúde mental, Dame Barbara Cartland continuava encantando, era a mesma mulher elegante. Morreu aos 98 anos, não foi divulgada a causa da morte, e foi sepultada como havia determinado, em Hatfield, numa propriedade sua, sob uma árvore plantada pela rainha Elizabeth I. Respeitada na vida, na morte e no talento que deixou eternizado em livros, ensinamentos, comportamento e imagem.

Nenhum comentário: