quinta-feira, 3 de abril de 2008

Moda - O Estilo Próprio e a Moda Acima do Peso


Cada pessoa tem de ter (natural ou fabricado) o seu próprio estilo, saber e entender o que combina com o corpo, com o temperamento; é para isso que a moda serve: apresentar opções, nunca impor regras. Crie seu estilo próprio baseando-se em tudo que você mais gosta. Tudo que lhe cai bem, que é confortável. Muito se fala que a elegância está na simplicidade, mas tem coisa simples que nem de longe lembra elegância. Ser elegante começa a partir da naturalidade, livre da obrigação de aparentar simplicidade ou sofisticação, é uma virtude tão natural e é coisa da própria pessoa, do temperamento, que é o que não muda. Obviamente que se uma pessoa tem perseverança e boa vontade, vai acabar aprendendo e até pode ter um reconhecimento, mas esse é um tipo de elegância fabricada em cima da personalidade e pode falhar pela vida, porque a essência é outra e a personalidade, ao contrário do temperamento, pode sofrer mudanças. Então, a disciplina é importante, para tudo.
Uma vez ouvi história qualquer sobre um mendigo numa esquina bebendo cachaça num copo de vidro de extrato de tomate, e ele pegava o copo com uma elegância fora de série. Essa mesma história falava de um casal num bom restaurante comendo e falando de boca cheia, sujando as roupas... Não sei se essa história é real, mas é absolutamente possível, porque a elegância vem de você e não tem nada a ver com classe social, com poder econômico, com nada, porque são duas possibilidades: nascer elegante ou decidir ser (ou não ser) elegante.
GORDOS E GORDAS NA MODAOutro ponto importante que precisa ser comentado é que hoje e em qualquer época eu acho um absurdo a discriminação de uma mulher porque ela está gorda ou magra, qual o problema nisso? Se ninguém vai te carregar nos braços, porque se preocupar com seu peso? Também não há problema nenhum em envelhecer, em mudar, porque você vai continuar sendo a mesma pessoa: mesmo nome, data de nascimento, tudo. Há algo em você que deve permanecer diante das mudanças da vida que é o seu estilo próprio. Uma mulher pode ser magra ou gorda e ser extremamente elegante e bem vestida. O que verdadeiramente importa é como você se sente... Se uma mulher gorda quiser e puder pagar por um vestido da alta costura francesa, ela vai ao ateliê em Paris e terá o vestido nas medidas dela.
As marcas de roupas reduziram os manequins e continuam diminuindo. Se você veste 42 estará vestindo 44 na próxima temporada e assim vai, mesmo que faça dieta, cirurgia plástica e tudo mais. Então, não adianta esse negócio de seguir à risca revistas de moda... Toda pessoa que já esteve acima do peso, sabe da complicação que é. Eu já passei por isso. Mas, há casos de pessoas que até sofreram preconceito. Então, a gente resolve assim: quem gosta de estar gordinha e tem a saúde ótima, que fique assim e quem não gosta, vai tratar de emagrecer sem neurose para entrar nessa ou naquela roupa. Agora, esse negócio de emagrecer só para usar uma calça (?!)... Isso é um tipo de escravidão e a pessoa que vive se escravizando para seguir tendências acaba vivendo mais para os outros do que para si própria. Onde isso vai parar? O importante não é o que as pessoas pensam de nós, mas o que nós pensamos de nós mesmos. Não adianta ficar feliz com cada elogio e triste com cada crítica. Pior ainda ficar se martirizando para seguir cada detalhe que é mostrado nas revistas, como um "referencial de perfeição", como se isso impedisse que as pessoas argumentassem sobre suas roupas, criticassem você por várias outras coisas. Porque uma pessoa precisa seguir tendência e sofrer em regime para emagrecer na intenção de ser aceita? Porque submeter-se a cirurgias plásticas quando na verdade nem precisa de nada? "Isso seria ilusão, deslumbramento?" Pode ser tudo, inclusive insegurança. Só é insegura a pessoa que não se conhece de verdade, não sabe que, por exemplo, as maiores lições da vida são as experiências vividas e não as experiências aprendidas e/ou ensinadas. Isso vale para moda, para relacionamento, para tudo. Às vezes, você conhece alguém e não sabe explicar porque essa pessoa tem olhos tão bonitos, porque são castanhos, porque têm tudo para serem olhos aparentemente comuns. Mas são olhos lindos! Atitude é a palavra-chave... Saber usar bem aquilo que nós temos. Não importa se a mulher é magra, gorda, se tem alguma deficiência física, não importa nada porque nós somos todos iguais e estamos todos, todo o tempo, sujeitos a uma série de mudanças boas e ruins, então cada pessoa tem uma beleza própria e tem todo o direito de expor essa beleza, de ser admirada e reconhecida.
As revistas de moda são muito importantes para mostrarem novidades, a arte da moda. Mas não quer dizer que a leitora tem de seguir exatamente cada figurino apresentado em cada página de uma revista. Jamais deposite numa outra pessoa ou em regras de moda a responsabilidade de seu próprio bem-estar. Seja você mesmo(a), com muito, muito charme e muita atitude. Porque autenticidade é uma grande virtude e também um luxo.

Por Jamill Barbosa Ferreira

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi Jamill
Hj tive um dia terrivel, afinal do alto de meus 1,74m e 88kgs, resolvi comprar um jeans... doce martírio! Sou bem resolvida, o fato de estar acima do peso ha cerca de 15 anos (tenho 35) nunca me impediu de fazer nada, sempre frequentei os lugares que quiz, casei, separei, tive os homens que desejei, enfim... Mas dizer q esta ditadura do "corpo perfeito" não me incomoda, aí seria "pedir demais", afinal...
Jamais entrei num ambiente sem chamar a atenção, comprei a roupa que queria na cor q procurava, e por diversas vezes enfrentei o olhar "pasmo" de amigos/familiares de alguns namorados. Sei de meu valor e principalmente de meus valores, mas tem dias q dá vontade de tomar qualquer coisa q emagreça, mesmo q isso custe a minha sanidade ou vida, o que me impede é saber q ainda tem no mundo pesoas que pensam como vc! gd abraço! Mariluce