sábado, 4 de junho de 2011

Alta Costura – Quando o Luxo é “Pop”

Enquanto os bem-acomodados na primeira fila quase precisam proteger os ouvidos dos rasgos da guitarra, o luxo da alta costura em seus materiais mais nobres e caros, retratando uma temática artística, faz valer a pena a lição de que juntar o luxo e o popular é possível, desde que não se misturem. Quem não viu o encontro da rainha Elizabeth II com a Lady Gaga, ou quando alguns emergentes estiveram presentes no lançamento do Vogue inteiro sobre Carmen Mayrink Veiga no Copacabana Palace, com direito a fila indiana para cumprimentarem a chique Carmen? É, gente, isso é divertido. Eu sei que é cafona fazer compras em shopping centers, que bacana mesmo é receber em casa uma mala da Daslu e escolher tudo, pagar por transferência bancária e, num “ops”, deixar escorregar um anel Cartier no ralo da pia. Gente, nada disso importa. Pessoas bonitas, da moda, na moda, com seus carrões e gigantescos apartamentos e mansões, não perdem tempo chamando alguém pra pegar o que caiu no ralo, porque basta abrir a caixinha e pegar outro. Leite derramado é bom, porque evita engordar; daí você toma uma água com gás e fica tudo bem. Então, mesmo assim, você vai ao shopping center, pois, tem consciência de que é um negócio lucrativo, que emprega muita gente, mas, que não serve pra nada. Porém, é melhor ser fútil e útil, do que fútil inútil. Enquanto você banca o apoio ao emprego alheio, a maioria vai é para a praça de alimentação ostentar um sanduíche, uma roupa ralé. Mas, a gente continua na atividade. Será mesmo que precisamos de uma camisa nova, uma bolsa? Provavelmente não. Mas, é a moda popular; e isso nos torna belos e atraentes para o povão. No mais, quem perguntar o que você foi fazer numa loja de shopping center, responde que esqueceu, mas que a culpa é do rock. Afinal, se o rock já invadiu o espaço do luxo, por que o luxo não pode ajudar o que é popular? Então, compre alguma coisa, ajude os que dependem do popular, mas, por favor, não entre no sistema, porque, é muito jeca.

Um comentário: