domingo, 4 de outubro de 2015

A Diferença das Bem-Vestidas



Jamill Barbosa Ferreira - @JAMILLISSIMO - Você ainda valoriza as listas das mulheres mais bem-vestidas, chiques, do mundo? Não é somente de mulheres que esse assunto trata, mas... Essas listas que diferenciam as mulheres e homens mundo afora, em grupos de cidades, países, continentes e, finalmente, o mundo todo - como o Hall of Fame da Vanity Fair - estão cada vez menos interessantes. Quando Eleanor Lambert era viva e fazia uma observação criteriosa de cada mulher do jet set antes de atirar os nomes aos holofotes, o resultado de cada atualização estremecia a alta sociedade mundial com a mesma intensidade. Mas, em 2002, um ano antes de sua morte, quando John Galliano sacudia as passarelas de Paris apresentando vestidos tão gigantescos que faziam a chique Claude Pompidou parecer um ET fashion - e eu me interesso por ufologia - nos eventos sociais, a chique Mme. Lambert passou toda a responsabilidade de sua cuidadosa lista para a Vanity Fair. Então, houve uma revolução - não para melhor - na eleição dos nomes e tornou-se ainda mais importante saber a diferença entre mulheres, pessoas, bem-vestidas, ou chiques, e elegantes. Uma mulher bem-vestida pode, facilmente, ter uma vida pessoal turbulenta, causando espanto a todos que leem artigos sociais e veem fotos da última festa do momento, mas, ela certamente tem endereço certo, geralmente de luxo, para suas compras e mantém um vestuário equilibrado para cada ocasião. Assim, uma mulher casada que tem um amante, por exemplo, está terrivelmente longe de ser elegante por causa do romance extraconjugal, mas, se usar seu tailleur Chanel da última temporada, mesmo que seja para se encontrar com o amante, ela será bem-vestida. O homem casado que trai descaradamente a mulher, mas mantém seu armário entupido de Armani e Versace será somente bem-vestido e, desculpe, não poderá ser elegante. Além das marcas influenciarem a qualidade do chique, é preciso ter bom gosto e bom senso: o caimento da roupa é, certamente, mais importante do que a grife e tão importante quanto a escolha do tecido de acordo com o clima. Os detalhes contam totalmente quando a adaptação da roupa é moldada sobre cada corpo. Desse modo, um homem pode estar usando um terno Yves Saint Laurent do tamanho errado seja por falta de atenção ou por pegar emprestado, com comprimentos errados, desfiando, etc., enquanto outro vai usar de forma correta um terno de shopping center, de tecido certo para a estação, com caimento impecável. Além de tudo isso que é um sistema de consumo, cada pessoa tem o direito de expressar seu próprio estilo e criar suas próprias roupas, mesmo que o material seja reciclado, ou usar a coisa mais surpreendente que se possa imaginar... Nesse caso, a atenção ao protocolo deve ser absolutamente a base para estar no padrão correto: não importa se para ir a um casamento a convidada usará tafetá ou saco de feijão, desde que não tenha decote nem fenda, pois, a exibição física destrói qualquer intenção de roupa ou comportamento dentro de uma igreja, um templo religioso, seja qual for a religião. A elegância é outro nível, muito além da boa educação, é um exemplo de como se aceita a vida, de como se caminha pelo mundo respeitando regras comportamentais sem nenhum deslize. Assim são as pessoas que fazem parte do cenário social mundial e algumas delas são, obviamente, bem-vestidas e elegantes, mas, é tão raro. As listas continuam insistindo, subsistindo, mesmo quando temos a certeza total de que em se tratando de nomes mundiais, o que vale mesmo é o que foi feito por Eleanor Lambert. Depois disso ainda há muita gente que merece estar lá, mas, é preciso haver um filtro de tamanha capacidade e paciência que ainda não foi inventado.

Nenhum comentário: